quarta-feira, 25 de novembro de 2009

poema

pedi-te que ficasses,
tal como queremos que o verão não vá,
como se pede uma mão,
nos momentos em que tudo perde a razão.
pedi-te que não fosses,
tal como se pede que um ser querido
não vá para outro mundo,
como automáticamente o meu corpo pede um abraço teu,
mas sei agora, que nunca poderias ficar.
foges às palavras que sinto com a maior ternura,
nem correspondes com a tua ilusão,
pedi-te que ficasses,
mas fui eu que parti,
mudei de rumo, e nem me despedi :(

GI

3 comentários:

O Profeta disse...

Sopro esta brisa que percorre as cumeeiras
E arrasto comigo este denso e frio nevoeiro
A noite envolve-me em seu escuro manto
Um milhafre soltou um grito derradeiro

O fogo surgiu do nada
A chama da paixão lambeu uma pedinte mão
Que levou o calor tatuado, abrasador a outra
Duas mãos postas, apontam ao divino uma oração

Na calada da noite despertam os sons
Mil olhos são estrelas na terra
O feitiço da Lua envolve os amantes
O amor tem como pano de fundo doce quimera

Voa comigo no feitiço do vento


Mágico beijo

Sónia Costa disse...

Se for como o Verão, tudo voltará. É um ciclo natural.

entremares disse...

Com as mãos trémulas, abriu o pequeno embrulho, já sabendo antecipadamente o que iria encontrar. Não era a primeira vez, nem a segunda, nem a terceira… que lhe chegava às mãos um pacote como aquele, afunilado, envolto em papel acastanhado, pejado de selos de um país bem distante.

Sem querer, os olhos desviaram-se até ao fundo da sala onde, sobre uma velha mesa de tampo de madeira, um jarro avermelhado ostentava meia dúzia de tulipas amarelas, algumas delas já a murchar pelo efeito do tempo.

Quantas tulipas amarelas já recebera?

Quanto tempo já passara, desde a separação, a despedida, o choro e as lágrimas?

Como se houvera sido no dia anterior.

Ela terminara com tudo.



E no entanto, como evitar aquele sobressalto no coração, sempre que os dedos acariciavam as pétalas macias, como evitar aquele nó da garganta ao sentir o aroma da primavera exalado pelas flores? Como evitar tudo?

Como calar todos os pensamentos?



Naquele dia, o embrulho surpreendeu-a.

Vinha vazio, sem qualquer flor no seu interior.

Sem querer, franziu a testa de desapontamento. Um gesto ínfimo, involuntário, de desencanto, de incompreensão. O pacote vinha vazio - custava-lhe a aceitar o facto.



Não, não vinha completamente vazio. Um pequeno papel, cuidadosamente enrolado, espreitava sob o celofane que habitualmente embrulhava todas as flores que recebera.

Pegou nele e levou-o para junto da janela. Nunca nenhuma das flores se fizera acompanhar por qualquer tipo de recado, de cartão. Nada.



Leu-o. Um, duas, três vezes. E novamente.

" Estou à tua porta, segurando na mão uma tulipa amarela. Queres vir recebê-la nas tuas mãos? "



Espreitou pela janela e viu-o, do outro lado da rua, segurando uma tulipa amarela, envolta por um plástico transparente.


Por um simples e infinito segundo, o tempo recuou e ela esqueceu-se de tudo, até de quem era. E muito simplesmente…. Chorou.