sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

poema: "o amanha não vai nascer"

sinto a dor de uma manhã que não nasceu,
a cabeça à roda de palavras que não encaixo.
perdida neste mundo escuro como breu,
o silêncio do momento, até esse é baixo.
sinto mágoa pelos passos marcados no meu coração,
não é justo perder o que se ama,
dor latejante que interfere na minha inspiração,
atitudes e palavras que apagaram a chama.
sinto-me trémula pela lágrima quer caí,
um som interrupto que entoa no meu sofrer,
há coisas que não se esquecem com um simples sopro,
contudo temos de fingir continuar a viver.
GI

3 comentários:

O Profeta disse...

Um formoso menino estava mesmo alí
Tocou de leve o lado esquerdo do meu peito
Olhou-me com um luminoso sorriso
Deixou-me sem fala, sem jeito

Deixou-me no apagar de uma vela
Olhei novamente o mar
A calmaria voltou como por encanto
Mil criaturas inundaram-me o olhar

Golfinhos felizes assobiaram
A cria de uma baleia acenou-me
Uma andorinha do mar poisou no parapeito da janela
Uma maravilhosa e antiga história sussurou-me

As estrelas brilharam no celeste
A Lua estendeu seu manto de fino lusr nesta cena
Adormeci na imensidão deste mundo
No embalo de...Uma Noite Serena...


Uma noite serena

Um bom final de ano e luminoso 2010

Um terno beijo

P.B. disse...

Que tenhas um excelente 2010 Gisela...

Beijinhos

Beαtriz disse...

Um óptimo 2010! :DD