terça-feira, 17 de agosto de 2010

POEMA

não interrompas o meu silêncio
com palavras frias e vãs,
já caminho pé ante pé com a realidade,
quero ter a certeza que vale a pena acordar todas as manhãs.
não confundas os meus sentidos,
a minha mente já se sente demasiado baralhada
neste mundo onde os sonhos são proibidos;
onde as felicidades são repletas de nadas.
não me abraces no horizonte
não me quero perder outra vez ,
em meios termos tudo corresponde,
nada se explica, tudo é aquilo que vês.
não apagues o que escrevo
a alma não iria aguentar,
ao escrever digo aquilo que não devo,
ao escrever ainda consigo amar!
GI

4 comentários:

Green Eyes disse...

Nunca ninguém conseguirá apagar as tuas palavras... depois de lidas ficam gravadas na memória :))

Beijo

gisela disse...

obrigada querida :) beijo

vitor disse...

Continue , pois, a escrevêr... !

Que essa tão Bonita Sensibilidade não cesse de sêr expressa !

Cumprimentos

Vitor

Filipa disse...

"neste mundo onde os sonhos são proibidos;
onde as felicidades são repletas de nadas.
não me abraces no horizonte
não me quero perder outra vez,"

Meu Deus, lindo :')

Beijinho querida e obrigada.