quarta-feira, 3 de junho de 2009

poema: nada é eterno

nada é eterno,
nem a chuva que cai de madrugada,
nem o sol que me aquece quando quer,
tudo muda, até uma simples frase já acabada,
um dia; também deixarei de sofrer.
nada dura para sempre,
nem o bater do coração,
nem o simples respirar,
contrariada ate termina a ilusão,
que finda em vez de me matar..

4 comentários:

Susy disse...

=)

Tens um prémio para ti no meu blog.
lé o post "selo"

beijos

Susy disse...

Carregas na imagem para guarda-la no teu pc, depois fazes um post normal colocando a imagem! ;)

beijos gds*

Licas disse...

Olá Gisela
Obrigada pelos teus poemas e pela carinhosa visita.
Beijinhos e bom fim de semana
Licas

CESAR disse...

Belo poema.

Gosto dessa forma de escrever. Concisa e simples. Nada de floreados.

Parabéns.
Um blog a visitar mais vezes.