segunda-feira, 8 de junho de 2009

poema

agora sou eu que vou partir,
desfazer as palavras que te ensinei a sentir,
agora sou eu que não te vou chamar,
já não encontro formas de te poder guardar.
agora sou eu que não te quero ver,
estou cansada de com o teu não sofrer.
agora sou eu que não te vou dar importância
e fazer de tudo para não me consumir com a distância.
agora sou eu que me conformo com o que existe,
apesar de deixar de ser eu própria;
e a tua presença persiste
Gi

1 comentário:

Maria Ines disse...

Que bonito (:
E nunca se esqueça de acordar com um belo sorriso e intenso logo pela manhã, pois ele é a chave das 24h que podes dar (com alegria) ao mundo e a todos aqueles que te acompanham.
Eu falo, e com pouca esperiencia. Mas sei que sei um sorriso, a vida nao é vida.
E que, por vezes, um amor (Ou apenas a história de amor), não é o que faz de nós felizes. E se acha que é, LUTE. E aprenda a ser feliz (:
Adoro os seus textos *.*