domingo, 31 de outubro de 2010

poema

- um dia o abraço que não me deste
ainda te vai pesar nos braços,
a sensação de não poderes continuar...
um dia o olhar vago
ainda te vai perseguir,
vais sentir o desespero,
e hoje tudo o que quero,
é viver sem sentir.
um dia vais chorar as minhas lágrimas,
a tua voz vai chorar por mim,
e eu mesmo que no vento te ouça
não vou responder, vais me perder
como eu te perdi.
um dia vais querer voltar atrás
e citar as palavras gastas pelo tempo,
não vou senti-las nem deixa-las ficar,
não te vou guardar, nem um só momento.
um dia irás perceber
que fui quem podias precisar
mas, nada me deu a entender
que um dia irias ficar.
talvez um dia...te possa perdoar!
GI

3 comentários:

O Profeta disse...

Sonhei com Querunbins zombeteiros
Com um Arcanjo em eterna luta com o mal
Sonhei que a chuva era o pranto dos deuses
Sonhei que o amor tem um caminho fatal

Descobri que as nuvens são carruagem de água
Que os anjos afinam as harpas de madrugada
Que as gaivotas em terra são pronuncio de borrasca
Que a razão de um justo não vale quase nada



Doce beijo

O Profeta disse...

Sonhei com Querunbins zombeteiros
Com um Arcanjo em eterna luta com o mal
Sonhei que a chuva era o pranto dos deuses
Sonhei que o amor tem um caminho fatal

Descobri que as nuvens são carruagem de água
Que os anjos afinam as harpas de madrugada
Que as gaivotas em terra são pronuncio de borrasca
Que a razão de um justo não vale quase nada



Doce beijo

Licas disse...

Cara Amiga

No meu blog, está desde hoje aberto um concurso de Conto de Natal.
Convido-te a participares, bem como a todos os teus contactos que pretendam unir-se a nós.

Divulga e aparece.
Um abração
Licas